topo.jpg
Todos Arquivos

Orgonite - Acumulador de Orgônio


Chemtrails no Mundo
Chemtrail ALEMANIA
Chemtrail ALEMANIA (2) Chemtrail ALEMANIA (Bretten)
Chemtrail AUSTRALIA
Chemtrail Central Chemtrail CROACIA
Chemtrail GRECIA Chemtrail ITALIA (San Remo)
Chemtrail MEXICO (Nogales)
Chemtrail REPÚBLICA CHECA Chemtrail USA (Arizona)
Chemtrail USA (Los Angeles)
Chemtrail USA (New York)
Chemtrails alerta Chemtrails BRASIL
Chemtrails California
Chemtrails Girona
Chemtrails Luxemburgo
Chemtrails Tarragona
Chemtrails Truth
Fumigan España
Global Skywatch
Chemtrails Dinamarca
Sonoma chemtrails

Enquete


Ultimas Noticias

chemtrails - tecnica prevenção aquecimento global

Patente de Chemtrails

Chemtrails no currículo de escolas americanas:


Usuários
Visitantes Online: 3 Usuários Registrados: 67
Usuários Online: 0

Parceiros










Monitoramento Solar

Scie Chimiche


Medidor de Velocidade de Conexão a Internet
Simet - Teste de velocidade


A teoria de Livingston e Penn: provas de resfriamento global.

Dois anos atrás, William Livingston e Matthew Penn do Observatório Solar Nacional, em Tucson, em um papel controverso que contradiz a sabedoria convencional e chateado os teóricos do aquecimento global, previu que as manchas solares podem desaparecer depois de 2015 , possivelmente indicando o início de outro Little Ice Idade.
Usando uma técnica de medição chamada Separação de Zeeman, os astrônomos analisaram mais de 1.500 manchas solares e concluíram que a intensidade do campo magnético das manchas solares caiu de uma média de cerca de 2.700 gauss para cerca de 2.000 gauss. A intensidade média do campo magnético da Terra tem menos de 1 gauss.
Eles não sabem explicar as razões para tal diminuição. Mas se a tendência continuar, a força do campo magnético das manchas solares vai cair para uma média de 1.500 gauss já em 2016. A seguir um gráfico mostrando o campo magnético total do Sol em função do tempo.

campo magnético total do Sol em função do tempo

Como 1.500 gauss é o mínimo necessário para produzir manchas solares, os astrônomos afirmam que elas poderão não ser mais geradas a partir de então. Foi justamente isso o que aconteceu durante o Mínimo de Maunder. Mas Livingston adverte que a previsão de zero manchas solares pode ser prematura.
As manchas solares recentemente não possuem fortes pontos rodeados por halos, chamados penumbras, como se viu durante o último máximo solar, a maior parte da safra atual apresenta poucas ou nenhuma penumbra.

Suas conclusões têm potencial “implicações dramáticas.” O Ciclo 24 poderia ter apenas metade do número de manchas solares como o recém-concluído  ciclo 23, e  poderia ser “praticamente sem manchas solares no Ciclo 25.”

http://news.sciencemag.org/sciencenow/2010/09/say-goodbye-to-sunspots.html

Mas há quem discorde deles. O físico David Hathaway, do Centro de Voos Espaciais Marshall, da NASA, achou o estudo interessante, mas acha que os dois astrônomos podem ter deixado de lado pequenas manchas solares, o que pode ter elevado a média registrada.

Hathaway é um crítico de longa data daqueles que acreditam que o comportamento do Sol está saindo do normal.  Mas hathaway erra sabendo de errar como dimostra a sua ultima previsão di ciclo 24, como já publicado nesse nostro blog.

Se continua a tendência atual, por volta de 2016 o Sol pode ficar totalmente sem manchas e assim permanecer ao longo de décadas.
Um fenômeno semelhante, que ocorreu no século 17, coincidiu com um período prolongado de resfriamento na Terra.
Conhecido como “Pequena Era do Gelo”, o maior Mínimo Solar já registrado durou 70 anos. O chamado Mínimo de Maunder durou de 1645 a 1715, com a Terra experimentando temperaturas globais muito baixas de -1-1,5°C..
Embora os mínimos solares normalmente durem cerca de 16 meses, o atual se estendeu por 26 meses, o mais longo em um século com os indices AP sempre no minimo.

E Solar Flux fica bem debaixo do que previsto pelos cientistas da NASA.

Mas o grafico mais eloquente sobre a teoria de L&P é este que o fisico solar Leif Svalgaard da NASA, mantem sempre atualizado.

Em poucas palavras, uma vez que o campo magnético fica abaixo de 1500 gauss, as manchas solares não têm contraste suficiente para ser visível.

O resultado para os cientistas e líderes mundiais devem ser claras, tanto mais que outros cientistas, nos últimos anos tem publicado as análises que indicam também que o arrefecimento global pode estar a caminho.  O clima pode mudar e muda para períodos mais frios, bem como para  mais quentes. Nos últimos 20 anos, cerca de US $ 80 bilhões foram gastos em pesquisas dominados pela suposição de que as temperaturas globais vão subir. Virtualmente, nenhuma o poucas pesquisas tem investigado a possibilidade e as conseqüências de viver com  as temperaturas que irão despencar. A investigação sobre o arrefecimento global e suas implicações para o mundo está muito atrasada. Com uma coisa tão importante, seria de esperar um aumento nas pesquisas por um posivel e provavel arreficimento global. A unica coisa certa é que o frio é muito mais perigoso para a humanidade que o calor.

SAND-RIO

http://opinion.financialpost.com/2010/09/16/lawrence-solomon-chilling-evidence/

http://translate.googleusercontent.com/translate_c?hl=en&sl=auto&tl=pt&u=http://www.probeinternational.org/livingston-penn-2008.pdf&rurl=translate.google.com&usg=ALkJrhgrNiH7ecF1W05rDay-iW5y2Wvvww

http://translate.googleusercontent.com/translate_c?hl=en&sl=auto&tl=pt&u=http://www.probeinternational.org/Livingston-penn-2010.pdf&rurl=translate.google.com&usg=ALkJrhhvTitzET3vsTJLZjFoNFuGDaFcEQ

 

 

Fonte: http://sandcarioca.wordpress.com/2010/09/21/a-teoria-de-livingston-e-penn-provas-de-resfriamento-global/

rodape.jpg
Login